Arquivo

Textos com Etiquetas ‘designer’

Dioramas exóticos criados dentro de tubos de ensaio (design e arte)

8, janeiro, 2016 Sem comentários

Jong3

A artista e designer Rosa de Jong que vive atualmente em Amsterdã na Holanda, cria dioramas minúsculos e intrincados, com cenas arquitetônicas artesanais dentro de tubos de ensaio.

Leia mais…

Porque ser Designer?

6, fevereiro, 2012 Sem comentários

Amigos, inicio esse post com a pergunta acima, porque ser Designer?
Por uma paixão, um hobby, uma profissão, uma brincadeira?
Pode ser tudo isso, depende do modo como é encarada a profissão. Alguns são designers por paixão, outros por necessidade, outros porque está na moda, as razões para escolher essa profissão são muitas e derivam de e em várias outras áreas.

Vou falar um pouco de mim, eu sou formado em Informática (Tecnólogo em Processamento de Dados) e no último ou penúltimo período tive a matéria HTML, me apaixonei. Fiz meu primeiro site/trabalho no Notepad (código puro, a matéria exigia isso), depois vi que o Word permitia salvar os documentos em HTML, permitia colocar links e no segundo trabalho já entreguei algo mais elaborado, com animação e tudo (bem tosca por sinal).
Já no projeto final eu utilizei o finado Front Page, aí sim entreguei um site propriamente dito. Ficou tão legal que contratei um host e hospedei a cria, exibia todo orgulhoso aquela página linda para meus amigos (já viu algum pai chamar o filho de feio? Pode ser a cara do Chucky que o pai achará lindo).

Na época eu trabalhava em um Jornal, era vendedor de anúncios de Classificados e um colega de trabalho, sabendo da minha formação e gosto por Webdesign, me encaminhou um cliente e me cobrou absurdos 20% de comissão, eu como não tinha nada a perder aceitei, lógico. Foi minha iniciação como Webdesigner profissionalmente.
Já no primeiro site cobrei mais caro que o que ganhava de salário. Na época nem computador eu tinha, me juntei com um amigo de faculdade que tinha um poderoso Pentium 233MMX (era top de linha na época) e fizemos o site juntos e ainda fechamos contrato de manutenção com o cliente por uns 9 meses.
Eu que já gostava da brincadeira e com $$$ no bolso passei a gostar ainda mais.

Fiz um investimento e comprei um Laptop Pentium 166 usado e parcelado em 10 prestações, foi meu primeiro computador, mas era lerdinho demais, então logo depois troquei por outro laptop mais potente, um K6 II 450, nossa, que máquinão.
Os trabalhos começaram a pintar, investi na minha carreira e fiz um curso de Webdesigner (Flash 3, Dreaweaver e Fireworks 4, FTP e introdução ao HTML), depois do curso tudo começou a fluir melhor, estava usando as ferramentas dos profissionais.
Aprendi sozinho o Photoshop (na época o PS4) e comecei a lançar sites no mercado. Em 2000 eu fui demitido do Jornal, mas já ganhava mais que o dobro como autônomo e agora com mais tempo para investir na profissão a coisa deslanchou de vez.
Iniciei uma segunda faculdade, na minha área, Design Gráfico que não concluí, tive que trancar a faculdade quando me casei, ficaram faltando os dois últimos períodos, Projeto Final e algumas matérias correlatas, qualquer hora eu termino ela pois não gosto de deixar nada pela metade, e juntei a prática e experiência que eu já tinha com a teoria que sentia falta.
Me aperfeiçoei em algumas ferramentas que já utlizava, conheci outras novas, aprendi as teorias e bases que envolvem a profissão e fui melhorando cada vez mais como profissional. Também abri meu leque de opções, pois aprendi a parte gráfica / impressa que não dominava, peguei alguns trabalhos de identidade visual, logotipo, panfletos, arte para publicidade em revistas etc.

Na época da faculdade de Design Gráfico, comecei a prestar serviços para uma empresa portuguesa, trabalhei para eles por 4 anos, foi uma experiência maravilhosa, aprendi muito com eles, fiz mais de 100 sites, mais de 1000 banners, diversos logotipos, impressos, conheci muita gente interessante, só não conheci um neto bastardo do meu bisavô (finado Renato Russo, esteja com Deus).
Depois parei de prestar serviço para eles, na verdade presto até hoje quando precisam, mas não com a mesma frequência e continuo levando minha vida de Designer, as vezes bate um pouco de medo por ser autônomo e não ter renda certa, mas tenho garra e força de vontade de ir busca meu cliente, quando o cliente não vem eu vou até ele, faço prospecção, ofereço serviço, negocio desconto, parcelamento, mostro portifólio, faço o jogo do mercado e muitas vezes saio ganhando.

Hoje já penso em atacar em outras áreas também, já dou alguns pitacos em design de interiores, design de móveis, eu mesmo projetei os primeiros móveis e decoração inicial do meu quarto, projetei 2 cachepôs para colocar minhas plantas (que foram executados por meu pai), gosto muito de arquitetura e penso principalmente em resolver algumas questões relacionadas ao ambiente, melhorar circulação de ar, temperatura, melhorar iluminação, utilização de materiais ecológicos e to enveredando também pelo caminho da arte digital, aproveitando algumas de minhas melhores fotografias, to começando a fazer uns tratamentos e composições diferenciados e em breve as transformarei em quadros (algumas eu colocarei à venda e aceitarei encomendas também).

Cheguei a trabalhar como fotógrafo também, fiz books para modelos, cobri alguns eventos, casamentos, formaturas, fotos publicitárias, complementava meu trabalho como designer, penso em montar novamente um equipamento e voltar a fotografar, além de gostar trará uma rendinha extra e me permitirá investir mais nas artes digitais também.

Essa é minha história, já se vão mais de 12 anos de profissão e espero que sirva de incentivo para quem está começando, o importante é acreditar em si próprio e nunca desistir.
(e é bom fazer uma reserva financeira também para a época das vacas magras, coisa que até hoje não consegui fazer, kkkk)

Um abraço e fiquem com Deus.

Uma palinha do que começo a fazer em Arte Digital:

Um vídeo solidário aos colegas de profissão:

5, outubro, 2011 Sem comentários

Um vídeo solidário aos colegas de profissão:

“Dificilmente existirá alguma coisa nesse mundo que alguém não faça um pouco pior para vender mais barato, sendo as pessoas que consideram somente o preço suas merecidas vítimas.”
Alex Moura


Fonte:  Blog da Nax Arquitetura